170044_ext_arquivo

Alagoas é um dos estados que não conta com robôs para cirurgia

Cirurgia robótica vem ganhando cada vez mais destaque por minimizar alguns riscos que a cirurgia convencional oferece

O Brasil tem hoje 11 robôs usados para a cirurgia robótica. São oito no estado de São Paulo, dois robôs no Rio de Janeiro e um no Rio Grande do Sul. O número deve aumentar até o final de 2015, mas o fato é que os outros estados, entre eles, Alagoas, não contam com robôs para esse procedimento.

A cirurgia robótica vem ganhando cada vez mais destaque por minimizar alguns riscos que a cirurgia convencional oferece. Quem garante é o urologista Carlo Passerotti, que tem pós-doutorado em Cirurgia Robótica pela Harvard Medical School (EUA), e já operou exatos 540 pacientes, entre eles, crianças, entre 1 a 16 anos, adultos e idosos.

Atualmente é considerado o médico com o maior número de cirurgias robóticas no Brasil! “Estamos atrasados em relação à cirurgia robótica de outros países. Existem médicos no exterior que já fizeram cerca de seis mil operações”, argumenta o especialista.

Por se mostrar um método bem eficaz, Dr. Carlo Passerotti discorre sobre os seus benefícios. O primeiro deles: o tamanho dos cortes. “A cirurgia é realizada por um robô com quatro braços mecânicos, comandados por um médico. Na ponta dos braços estão cânulas, que são inseridas em pequenos cortes entre 5 e 8 milímetros na pele, tornando a cirurgia menos invasiva e deixando cicatrizes pequenas”, explica.

Durante a cirurgia, o robô transmite a imagem em 3D e alta definição do local a ser operado. “A tecnologia utilizada no braço do robô faz com que ele se movimente como uma mão dentro do paciente”, esclarece o especialista.

O fato de um paciente ser submetido a uma cirurgia robótica é que o tempo de internação cai para dois ou três dias, reduzindo o risco de infecção e da prescrição de muitos medicamentos. “A recuperação é mais rápida e o paciente tem mais qualidade de vida”, garante Carlo Passerotti.

E, por fim, com o uso dessa tecnologia, o paciente diminuiria os custos com transporte e hospedagem para fazer a cirurgia em outros estados.

Fonte: Tribuna Hoje

Deixe uma resposta